Noticias em Geral

Entrevista com Marcelo Gabriel sobre o encontro com a FAATRA por ocasião da Automechanika Buenos Aires

O fortalecimento das relações entre as nações sul-americanas no setor de reparação automotiva é um tema que vem ganhando destaque nos últimos anos. Em um encontro significativo entre representantes do Sindirepa Brasil, FAATRA da Argentina, e outras entidades relevantes, discutiu-se a criação de um panorama mais cooperativo e integrado para o aftermarket automotivo. Nesta entrevista, Marcelo Gabriel nos oferece uma visão aprofundada sobre os objetivos e resultados dessa reunião, delineando os desafios e oportunidades que surgem com a união de esforços na região, e como tais iniciativas estão alinhadas com as metas de longo prazo de cada organização envolvida. Confira a entrevista realizada pelo MoveNews que cobriu o encontro.

SB – Quais foram os principais objetivos estabelecidos para esta reunião entre Sindirepa Brasil e FAATRA? Como esses objetivos se alinham com as metas de longo prazo de ambas as organizações?    

MG -Estive na reunião representando o Presidente Antonio Fiola, como Sindirepa Brasil. Mas fui solicitado a apresentar a Aliança do Aftermarket Automotivo Brasil, um breve histórico de como nasceu a Aliança, seus objetivos, conquistas e desafios de curto, médio e longo prazo. Na reunião estavam presentes os representantes da ACEERA que é a entidade dos agentes comerciais do mercado de reposição argentino, o que permitiu ampliarmos também a discussão sobre as questões ligadas às peças de reposição.

SB – Poderia detalhar quaisquer acordos ou parcerias formais que foram estabelecidos durante esta reunião? Quais são os benefícios esperados dessas parcerias para o setor de reposição automotiva no Brasil e na Argentina?

MG -O SINDIREPA (BRASIL), a FAATRA (ARGENTINA) e a CTMA (URUGUAY) mantém um acordo de cooperação desde 2017 que prevê a troca de informações, legislações e cooperação quanto ao acesso a diagnósticos dos veículos por parte das montadoras, assim como sua conectividade e também no campo do reparo de colisão diante do avanço das seguradoras com práticas comuns nestes países.

SB – Durante a reunião, foram discutidas estratégias comuns relacionadas ao “direito de reparar” e à inspeção técnica veicular entre Brasil e Argentina?

MG – Nestes tópicos as discussões foram mais explanatórias do que realmente orientando estratégias comuns, visto que cada país tem experimentado diferentes condições e as demandas para solução de problemas locais e imediatos ocupam grande parte das agendas. Mas o entendimento geral é que precisamos unir esforços e compartilhar experiências.

A Inspeção Técnica Veicular já existe a anos na cidade de Buenos Aires, enquanto que o Uruguay não vislumbra tal movimento, já o direito de reparar como tratamos na perghunta anterior é um dos grandes entraves da reparação de veículos nestes últimos anos.

SB – Considerando a missão da FAATRA de formar e dignificar o trabalho da Oficina Nacional de Reparação e Manutenção Automóvel, foram discutidos planos para programas de capacitação conjuntos ou outras iniciativas educacionais? Como isso ajudará a unificar e fortalecer o setor em ambos os países?

MG – Ainda que muito próximos, os idiomas falados na região ainda têm sido uma barreira de comunicação para programas comuns de capacitação. Iniciativas como a certificação voluntária (IQA no Brasil) e similares na Argentina foram apresentadas mas a estrutura dos sistemas de regulação técnica e tecnológica dos países não permite que se pense em uma condição comum de trabalho. A FAATRA encontrou um modelo unindo a entidades dos trabalhadores e o Governo Federal daquele país, situação praticamente inexequível no Brasil, já o Uruguai busca incessantemente projetos de capacitação de profissionais visto estar sempre a frente das tecnologias por receber o que tem de mais moderno na importação de veículos automotores, dificultando a atividade da reparação de veículos naquele país. Legislações, culturas e língua totalmente diferente impedem avanços mais significativos de ações unificadas.

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

foto

Autor: Sindirepa MT

Leia Mais Posts Relacionados